0.0 // GERAL 

Aluna baleada por colega em Goiás aparece na sacada do hospital e mãe celebra “renascimento” da filha

A professora Lia Nunes Fleury, mãe da estudante Lara Fleury Borges, 14, baleada por um colega dentro do Colégio Goyases, divulgou uma carta na manhã desta terça-feira (24) para falar sobre a recuperação da filha. A garota está internada no Hospital dos Acidentados, em Goiânia, e saiu na sacada para avisar que está “bem”. Na mensagem, a mulher celebra o “renascimento” da filha após o ataque e pede que “Deus ilumine o coração” do adolescente que efetuou os disparos, ferindo outros três estudantes e matando dois.

Na carta, Lia diz que “só tem a agradecer” por ter a possibilidade de estar com sua filha novamente e lamenta que os pais dos outros alunos feridos não tenham a mesma “sorte”. Ela também diz sentir pelas crianças que tiveram a vida marcada por uma “cena de horror”.

“Sou mãe da Lara, jovem que nasceu há 14 anos e renasceu há 5 dias”, diz o texto.

Na área de educação há 22 anos, Lia diz que sempre “abominou qualquer forma de discriminação” e revela que também foi vítima de bullying, assim como alegou o atirador ao ser apreendido. Por isso, afirma, “sempre combati esse mal”.

Por fim, Lia pede proteção de Deus ao adolescente que “dilacerou tantas famílias”.

“Que lhe conceda o arrependimento verdadeiro para que ele seja capa de dimensionar o ‘estrago’ que sua insensatez causou na vida da ‘família Goyases'”, conclui.

Minutos após Lia ler a carta na entrada do hospital, a própria Lara saiu na sacada do quarto onde está internada. Ao lado dos pais, ela acenou e disse: “Estou bem, podem ficar tranquilos”.

Outros feridos

Lara é a única das feridas que está no Hospital dos Acidentados. Outras duas colegas estão no Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo). Tanto Marcela Rocha Macedo, que completa 14 anos nesta terça-feira, quanto Isadora de Morais, também de 14, têm quadro clínico considerado regular.

O único ferido que já teve alta foi Hyago Marques, de 13 anos, no domingo (22). Já em casa, ele afirmou que perdoa o colega autor dos disparos, mas que “nada justifica a reação dele”.

No ataque, morreram os estudantes João Pedro Calembro e João Vitor Gomes, ambos de 13 anos. O pai de João Pedro disse que perdoa o atirador.

Fotos: Reprodução/TV Anhanguera

saiba antes via instagram @amaisinfluente