5.5 // CARREIRA 

Mercado da beleza é espelho da economia do país

O Dia da Mulher é uma celebração à luta pela igualdade de direitos e respeito, pois elas são uma parcela importante da população para a sociedade, contribuindo vigorosamente para a economia e demais setores protagonistas do mundo global.

Não seria diferente no mundo dos negócios, a identificação com a beleza, moda e assuntos correlatos tornam as mulheres excelentes empreendedoras nos ramos que atendem esses temas.

Frente a essa realidade, o Empresômetro, empresa brasileira de inteligência de mercado, apresentou dados acerca dessa fatia do mercado, desenhando o panorama atual da indústria da beleza no Brasil.

Pela análise desses dados* é possível aferir que o maior número de habitantes está intimamente relacionado com o número de estabelecimentos relacionados à beleza, sendo eles cabeleireiros, estéticas e salões de beleza, mas sem descartar todas as atividades relacionadas.

Focando nesses empresários, o Empresômetro identificou que São Paulo, a capital brasileira com maior número de habitantes, – são mais de 45 milhões de pessoas segundo dados do IBGE para o ano de 2017-, tem 245.561 de negócios envolvidos com o mercado da beleza. Veja abaixo os seis primeiros estados:

Números de Empreendimentos

População por Estado

SP

245.561

São Paulo

45.094.866

RJ

117.712

Rio de Janeiro

16.718.956

MG

91.610

Minas Gerais

21.119.536

RS

51.531

Rio Grande do Sul

11.322.895

PR

50.702

Paraná

11.320.892

BA

41.721

Bahia

15.344.447

“O mercado da beleza é influenciado por diversos fatores, claro, alguns voltados à maior liberdade, direitos e respeito que a mulher vive hoje”, explica o diretor executivo do Empresômetro, Otávio Amaral. “O consumo de serviços demonstra que a economia das famílias, em especial este tipo de serviço, vem crescendo, estimulando a abertura de novos negócios nesta área”, ressalta.

A formalização de empresas é um grande marco para o país, pois há a possibilidade de aumentar a arrecadação e o resgate de muitos empresários que atuavam de forma irregular ou informal. “O que percebemos é que ao contrário do que se imagina, a maior parte dos empreendimentos é formado por microempresas e não empreendedores individuais”, destaca Amaral.

Isso é perceptível ao analisarmos um dos estados da tabela acima, mais conhecidos pela beleza de suas mulheres, famoso pelas suas misses, o Rio Grande do Sul, quarto lugar na quantidade de estabelecimentos ligados a esse ramo. “Lá o número de microempresas ultrapassa em muito as outras modalidades societárias, temos 50.268 ME para um total de 51.531”, afirma Otávio.

São empresas que têm um faturamento presumido de até 900 mil reais por ano, mas que em muito movimentam a economia brasileira, fortalecendo o setor e contribuindo para que o mercado seja reconhecido, não somente nesse dia, mas com sua importância o ano inteiro.

saiba antes via instagram @amaisinfluente