5.0 // DOSSIÊ5.1 // AMOR & SEXO 

Estudo mostra que ‘sexo casual’ não é tão popular quanto se imagina

A Viacom International Media Networks (VIMN),divulgou recentemente os resultados de um novo estudo chamado ‘Vamos Falar de Sexo’, realizado com cerca de 12 mil adultos, entre 18 a 49 anos, em 21 países, incluindo o Brasil. Entre os entrevistados, 91% afirmaram gostar de sexo.

O objetivo principal da pesquisa era entender quão satisfeitos estão os adultos com suas vidas sexuais. Como a tecnologia é parte desse tema, a pesquisa também traz informações sobre como os aplicativos influenciam nos novos relacionamentos e qual seu papel na vida sexual dos entrevistados.

Abaixo, os principais destaques do estudo ‘Vamos Falar de Sexo’, no BRASIL:

  • O sexo casual não é tão comum quanto parece

Entre adultos de 18 e 29 anos, menos da metade já tiveram um relacionamento de apenas uma noite (39%). Já 20% dos entrevistados afirmam que já tiveram alguma experiência sexual com colega de trabalho.

  • Apesar de a maioria das pessoas começarem as paqueras pessoalmente, a tecnologia desempenha um papel cada vez mais importante na vida sexual de cada um 

Entre os adultos de 18 e 29 anos que fizeram sexo causal, 96% se conheceram pessoalmente e 48%, através de um aplicativo ou site. Curiosamente, 21% dos homens de 18 a 29 anos que fizeram sexo casual conheceram o(a) parceiro(a) na igreja. Em geral, os mais jovens se sentem mais confortáveis em compartilhar intimidades online: 24% dos adultos de 18 a 29 anos já mandaram nudes para alguém e 19% dos adultos de 30 a 49 anos já fizeram isso.

  • Aplicativos de relacionamento levaram o sexo casual para alguns e relações sérias para poucos

Entre adultos de 18 a 29 anos que utilizaram aplicativos de relacionamento, 39% dos homens e 28% das mulheres conseguiram sexo casual. A minoria acabou em um relacionamento sério: 12% dos homens e apenas 5% das mulheres.

  • Os casais estão mais satisfeitos com suas vidas sexuais do que os solteiros

Os casais foram os mais satisfeitos com a quantidade de sexo nas próprias vidas. Mesmo com filhos, 58% dos casais afirmaram fazer sexo o suficiente. Entre casais sem filhos o índice foi de 55%. 80% dos casais classificam a vida sexual como “boa”, enquanto que entre os solteiros o índice é 60%.

  • A virgindade é mais comum do que se imagina

A pesquisa revelou que, ¼ dos jovens de 18 a 24 anos são virgens. Mundialmente, esse número é maior, 38%. Os países da região Ásia-Pacífico têm a maior concentração de jovens adultos virgens (84% na Malásia e Singapura, 78% na Indonésia, 53% na Tailândia, 47% nas Filipinas). A virgindade também é muito comum entre os jovens 18-24 nos Estados Unidos, com 53%. Após os 25 anos, menos adultos são virgens 11% entre aqueles com idade entre 25 e 29 anos, 4% na faixa 30-39 e 5% na faixa 40-49. Mundialmente, a porcentagem fica 18% no 25-29, 9% no 30-39 e 6% no 40-49.

  • É difícil encontrar sexo

A pesquisa mostrou que 31% dos jovens de 18 a 24 anos não estão namorando atualmente: 22% nunca estiveram em um relacionamento sério e 1/5 dos jovens nunca viveram uma relação casual. O fato de 53% ainda morar com os pais tem um impacto relevante na vida amorosa. Quando deixam a casa dos pais – a maioria por volta dos 26 anos – é para ir morar com o parceiro.

Gráficos: Divulgação/Viacom
Foto Destaque: Pixabay

 

saiba antes via instagram @amaisinfluente