// capa mais mais mais// online 

Robson Maia cativa em dose dupla na TV

Por Juliana Moraes

Robson Maia é um dos destaques da segunda temporada da série “Rio heroes”, que estreia em maio, na Fox. Na história, ele dá vida a Adam, um lutador que “causa” dentro e fora dos ringues.

Com participações em novelas como “O outro lado do paraíso” e “Rock story”, na Globo, o ator de 36 anos também pode ser visto na terceira temporada da série “Sob pressão”, na Globo.

Já no teatro, trabalhou em cinco peças profissionais e, no cinema, fez parte do elenco de “O filho do Homem” e “Amor.com”. O que te motivou a entrar na carreira artística? As coisas foram acontecendo de forma leve, trabalhava como modelo e tinha uma admiração grande pela carreira, todos os meus amigos eram atores, aí resolvi fazer um curso de teatro e quando vi já estava completamente imerso e apaixonado pela profissão. Costumo dizer que meu “starte” foi aos 17 anos quando fiz teatro amador, acho que de uma forma inconsciente já tinha escolhido minha ofício.

Como foi o início? Teve apoio da família? Meu início foi de uma forma despretensiosa, não pensava em trabalhos futuros, simplesmente olhava para o presente agradecia e me jogava.
Posso dizer que sou um privilegiado, pois sempre tive muito apoio familiar, não só na carreira artística mais em quase tudo, acredito que quando o apoio vem de casa tudo fica mais fácil, as coisas acontecem mais rápido e com menos traumas.

O que você acha mais desafiador? Sem dúvida nenhuma é ser ator no Brasil, pela falta de trabalho, pelo desrespeito com a classe artística e o pouco incentivo cultural, mas deixando as lamentações de lado, prefiro cantar aquela canção do Gilberto Gil: “Andar com fé eu vou, que a fé não costuma faiá”, (risos).O que mais te inspira na profissão? A possibilidade de viver um personagem complexo, o desafio de entender o psique humano, não entender completamente mas só um pouquinho quem sabe, conseguir passar por emoções nunca antes experimentadas, ter a possibilidade de através dos personagens ser melhor como pessoa e também, transformar a vida dos outros.

Onde você busca inspirações para dar vida a seus personagens? No outro, no ser humano do dia-dia, no ser comum, no simples fato de sairmos de casa e observamos a vida, o cotidiano é muito rico: ir na padaria, andar de ônibus, ler um jornal. É preciso aguçar a observação, o ator tem que ter uma “obsessão” por observar o outro e a si mesmo. Minhas inspirações vem também das leituras, pesquisas pela internet, pelo filmes e peças de teatro.

Você está com vários projetos atualmente. Como faz para conciliar tudo? Trabalho, trabalho, trabalho, foco e disciplina, acredito que essas são formas de conseguir lidar com projetos de forma simultânea e logicamente muito amor pela profissão.

Fale um pouco sobre os seus personagens nas duas séries. Em Rio Heroes o personagem Adam, é um lutador de vale tudo, super talentoso e dedicado, porém de caráter duvidoso, os traumas vividos na infância repercutem diretamente na sua forma de enxergar o mundo e se relacionar com as pessoas.

Em sob pressão, meu personagem é um bem sucedido profissional da área da arquitetura, porém apesar de se relacionar sexualmente com outros homens, é preconceituoso com gays e também bastante desinformado quando o assunto se trata de DSTs (doenças sexualmente transmissíveis).

Até hoje, qual foi o papel da sua vida? Todos os papeis foram muito importantes, mas o mais marcante foi o Lúcifer, isso mesmo, o capiroto, o diabo, o demônio (risos), esse tão estigmatizado e “intocável” personagem, o qual tive a felicidade de viver no teatro. Foi muito rico e de um aprendizado enorme.

Quem é a sua maior referência no mundo artístico? As referências são muitas, estaria faltando com a verdade se apontasse uma, e digo mais: a lista é enorme! (Risos).O que a arte significa para você? Arte pra mim significa ver o mundo sob uma nova perspectiva, significa transformar e salvar, sempre que me perguntam isso, lembro de uma frase que gosto muito: “A arte é a mentira que nos permite conhecer a verdade”.

Para você, como é viver de arte no Brasil? O maior desafio. Essa pergunta não vale porque já respondi lá em cima (risos).PING PONG

Nome completo: Robson da Rocha Maia Junior
Idade: 36 anos
Signo: Áries
Um filme: Carfanaum
Um música: sozinho (Caetano Velozo)
Viagem dos sonhos: a que estar por vir
Maior conquista: minha família, meus amigos, minha profissão
Se pudesse escolher seu próximo personagem, qual seria: o que estar por vir (risos)
Um defeito: crítica
Uma qualidade: perseverança
Defina-se em uma palavra: indefinível

saiba antes via instagram @amaisinfluente