4.1 // ARTE & CULTURA 

Ensaio lírico a Santos Dumont, ‘Na Anatomia Oca dos Pássaros’ entra em cartaz em SP

O ensaio lírico a Santos Dumont ‘Na Anatomia Oca Dos Pássaros’ entrará em cartaz em São Paulo nesta semana. O espetáculo será exibido na Oficina Cultural Oswald de Andrade, nos dias 1 e 2 e 3 de agosto, e no Teatro Arthur de Azevedo, dias 13 e 20.

Mais do que sua biografia e obra, este espetáculo é um convite ao espectador, na forma de um ensaio poético, a adentrar a alma de Santos Dumont, e vislumbrar ali arquétipos que dizem respeito ao ser humano contemporâneo.

‘Na Anatomia Oca dos Pássaros’ – ensaio lírico a Santos Dumont é o novo projeto da Cia Terranova, radicada em São Paulo. Trata-se de um espetáculo multidisciplinar que se potencializa na interface entre o teatro, a música e a arte coreográfica da euritmia. Dino Bernardi assina texto, concepção e direção cênica desta encenação.

A composição musical é de Marcelo S. Petraglia, e tem Saulo Camargo na percussão e Luis Antonio Ramoska no fagote.  O ator Vitor Placca integra a coreografia e contracena com a euritmia de Marília Barreto e Renate Nisch, euritmistas reconhecidas nacional e internacionalmente.

Sinopse

O espetáculo traz à cena o grande personagem da História do Brasil e mundial – Alberto Santos Dumont. Na fusão de texto e dramaturgia com composições musicais temáticas, executadas ao vivo, envolvidos pela coreografia insólita da euritmia, esta produção foca o drama existencial de Santos Dumont, entre o sonho e a obstinação, entre conquistas e perdas, e toca as questões centrais da resiliência e da confiança numa dimensão maior da biografia humana.

Elenco

Interpretado pelo ator Vitor Placca, Na anatomia oca dos pássaros… expande seu voo às paragens mais internas da alma humana através da coreografia inédita realizada pelas euritmistas Marília Barreto e Renate Nisch. Texto e dramaturgia de Dino Bernardi e Fernando Aveiro ganham expressão plena através da inusitada composição musical de Marcelo S. Petraglia para gongos, tambores, fagote e metalofone, expressa ao vivo na percussão performática de Saulo Camargo, entrelaçada pelo lamento expressivo do fagote de Luis Antonio Ramoska. Tudo isto ampliado pelos figurinos diáfanos de Dino Bernardi, pelo cenário de Cesar Rezende, e pelos espaços pintados no light design de Tomate Saraiva. Quem orquestra a obra é o multiartista Dino Bernardi, que assina a concepção e direção deste poema cênico.

Serviço

Oficina Cultural Oswald de Andrade
Endereço: Rua Três Rios, 363 Bom Retiro São Paulo
Dias 1º e 2 de agosto, às 20 horas
Dia 3, às 18 horas

Teatro Arthur de Azevedo
Endereço:
Av. Paes de Barros, 955 Mooca São Paulo
Dias 13 e 20 de agosto, às 21 horas

Censura 14 anos
Entrada Franca

FICHA TÉCNICA

Duração: 60 minutos.

Recomendação: 14 anos

Gênero: drama

Texto e Dramaturgia: Dino Bernardi e Fernando Aveiro

Direção Cênica, Figurino e Cenário: Dino Bernardi

Direção Artística: Marília Barreto

Coreografia e Euritmia: Marília Barreto e Renate Nisch

Atuação: Vitor Placca

Fagote: Luis Antonio Ramoska

Percussão: Saulo Camargo

Composição e Direção Musical: Marcelo S. Petraglia

Cenotecnia: Cesar Rezende

Adereços: Denise Seignemartin

Light Design: Tomate Saraiva

Operação de Luz: Claudio Brandão

Assistente de Iluminação: Laura Porto

Confecção Figurinos: Cleusa Silva

Fotografia: Rogerio Abbamonte

Filmagem: Novas Imagens – Gabriel Lehto

Design Gráfico: Green Comunicações

Programação Visual: Lucia Barretti

Assessoria de Imprensa: Flavia Fusco Comunicação

Produção: João Carlos Villela

Direção de Produção: Marília Barreto

Realização: TERRANOVA Cultura & Transformação

saiba antes via instagram @amaisinfluente