3.4 // SAÚDE 

Conheça os riscos do consumo excessivo de álcool

Mais de 5% das doenças que comprometem o funcionamento do cérebro e afetam vários outros órgãos são atribuídas ao abuso do álcool de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). Por conta disso, separamos os principais riscos do consumo excessivo da bebida. 

No curto prazo, o excesso de álcool no corpo pode ser percebido pela confusão e perda de reflexos, comprometimento da coordenação motora, vômitos e até coma alcóolico, além das implicações comportamentais. Já, ao longo dos anos, os danos internos se acumulam e podem ser irreparáveis.  

De acordo com o médico e especialista em dependência química Toufik Rahd o excesso de ácool pode causar diversos danos aos órgãos. “No fígado, o alcoolismo pode causar acúmulo de gordura, hepatite e cirrose, que comprometem o funcionamento do órgão devido a lesões prolongadas. O pâncreas e o estômago também podem desenvolver doenças crônicas, como pancreatite, gastrites e úlceras. Já o coração tende a ser afetado pela elevação dos índices de colesterol, hipertensão, entre outras disfunções”, explica Toufik. 

Por fim, os riscos para o cérebro são extremamente perigosos, podendo levar a deterioração cognitiva, distúrbios mentais e, no sistema nervoso, a uma doença ainda pouco divulgada: a polineuropatia alcóolica. 

Entenda 

A polineuropatia alcóolica acomete principalmente adultos, após os 40 anos, e idosos, sendo até quatro vezes mais incidente em homens. A complicação surge de um alcoolismo grave e crônico, “o alcoólatra tende a alimentar-se mal e a bebida por si só já inibe a absorção de diversas vitaminas e nutrientes, o que gera deficiência da vitamina B1 e carência de tiamina. Essa insuficiência prejudica o Sistema Nervoso Periférico”, esclarece Dr. Rahd. 

Os sintomas vão desde fraqueza, dor e sensação de formigamento ou dormência nas mãos, pés e membros inferiores no geral, a dores noturnas, câimbras e perda sensorial das extremidades e são constantemente ignorados. 

Além da suspensão imediata do álcool, suporte no abandono ao vício e administração de anticonvulsivantes ou antidepressivos para combater a dor neuropática, a reposição da tiamina é fundamental para evitar a progressão da perda de mielina no nervo. O especialista alerta que a recuperação vai depender muito do tipo e quantidade de fibras lesadas e que o acompanhamento neurológico é fundamental para esse diagnóstico. 

Na reposição da tiamina, conhecida também como vitamina B1, a benfotiamina, opção lipossolúvel, consegue ser mais facilmente absorvida pelo organismo, apresentando melhores resultados no curto prazo, penetrando diretamente na célula, sem necessidade de transportadores, com um aproveitamento 15 vezes melhor e ação medicamentosa 10 vezes mais potente.  

vA Organização Mundial da Saúde (OMS), em seu Relatório Global sobre Álcool e Saúde 2018, aponta uma redução no consumo de álcool pela população brasileira em 2016, de 7,8 L de álcool puro, em relação a 2010, que era de 8,8 L de álcool puro. Com isso, o país está abaixo da média da região das Américas (8L de álcool puro per capita); porém maior do que a média mundial (6,4 L). 

saiba antes via instagram @amaisinfluente