9.0 // DA REDAÇÃO 

Cirurgia plástica no verão: fazer ou não fazer?

Cirurgião plástico fala sobre cirurgias mais procuradas nessa época do ano e as precauções a serem tomadas


O Brasil é um dos países líderes em número de cirurgias plásticas realizadas. Com o verão, que começa em 22 de dezembro, a procura por esses procedimentos aumenta consideravelmente, visto que, nesse período, parte da população está de férias e tem um extra da renda devido ao 13º salário. Mas algumas precauções devem ser adotadas para quem pensa em passar por uma cirurgia estética na estação mais quente do ano.

Apesar das férias possibilitarem um tempo de repouso maior para a recuperação, alguns cuidados são essenciais. “Alguns desses cuidados podem ser mais incômodos ou difíceis de seguir durante o verão. Por exemplo, o uso da cinta modeladora, indicada após muitas cirurgias plásticas, pode provocar um incômodo maior devido ao calor do período”, alerta Dr. Bruno Luitgards.

O calor não é a única dificuldade encontrada, o sol também se torna um inimigo nesse período. “O mais difícil é evitar o sol no verão, e é essencial evitá-lo após a cirurgia plástica, pois os roxos (equimoses) quando expostos ao sol podem causar manchas na pele e nas cicatrizes. Também será necessário evitar banhos de mar ou piscina por um período de tempo que varia entre cada cirurgia. No verão também utilizamos roupas mais curtas, tornando mais difícil esconder os procedimentos realizados”, recomenda o cirurgião plástico.

Os mais procurados

Os procedimentos mais procurados no consultório para a preparação para o verão são, em geral, procedimentos de melhora do contorno corporal. A colocação de prótese de mama é o mais buscado, seguido pela lipoescultura e a abdominoplastia.

A região abdominal também é uma das maiores preocupações dos pacientes no verão, uma vez que utilizamos roupas mais curtas e há uma maior exposição do corpo, principalmente em roupas de banho utilizadas na praia ou piscinas. “Os pacientes devem ser avaliados para definir quais os problemas existentes no abdômen sendo os principais o excesso de gordura, flacidez muscular e flacidez cutânea. Portanto, para alcançar um abdômen com aspecto mais saudável e torneado há indicação mais comumente de abdominoplastia e ou lipoescultura”, revela Dr. Bruno.

Ainda dá tempo?

Para os pacientes que desejam viajar para a praia neste verão, o ideal é evitar a cirurgia plástica tão próximo à viagem, uma vez que haverá limitações à exposição solar e também a banhos de mar ou piscina, que provavelmente estão programados. “O melhor é fazer a cirurgia para uma época em que o paciente possa ter tempo de recuperação em casa”, indica Dr. Bruno Luitgards.

Mas quem, mesmo assim, preferir realizar a plástica durante as férias de verão, deve-se atentar às seguintes recomendações médicas:

– Uso de cintas modeladoras ou sutiã cirúrgico é comum nas cirurgias corporais, sendo necessário utilizá-las por 24 horas por dia.

– Evitar esforços físicos (inclusive exercícios de academia) no período inicial da cirurgia. Os exercícios serão retomados de forma gradual, geralmente iniciando-se após três semanas da cirurgia.

– Em geral é necessário evitar banhos de mar e piscinas.

– É necessário evitar o sol após a cirurgia plástica, principalmente porque os roxos podem causar manchas e o sol sobre as cicatrizes podem causar escurecimento das mesmas. O tempo vai depender do tipo de cirurgia e do tipo de pele da paciente.

– Em alguns casos será necessário realizar drenagens linfáticas para obter melhor resultado evitando inchaços e fibroses que poderiam comprometer o resultado.

“Cada cirurgia plástica específica demanda cuidados específicos que devem ser seguidos para a melhor recuperação”, finaliza o médico.

saiba antes via instagram @amaisinfluente