Rio de Janeiro 

O Rio e seu recorrente suicídio urbano

Chega de associar caos com alegria. Chega de achar que extroversão é desorganização. Chega de mega blocos corporativos. Chega de destruir a reputação do Rio, lucrar com espaço público e deixar a sujeira para os outros limparem. Chega.

Produtores de festas, promoters de mega-blocos e de eventos privados mandam na cidade do Rio de Janeiro sempre com a defesa de que trazem recursos para a cidade. Mentira. Festas/blocos fechados, cercadinhos no réveillon, mega-blocos no espaço público são operações de MARCAS.
Estas marcas, brands, negócios, produtos, e suas celebridades, agentes, executivos, etc. ganham muito dinheiro e não trazem tantos benefícios públicos. Ou são eventos de consumação fechada ou funcionam com operadores exclusivos. São eventos para convidados. São eventos de massa para veicular produtos e consumo. Nem criam tantas oportunidades, nem tantas divisas trazem. Isso virou uma praga no Rio. Recursos públicos são disponibilizados para organizar e montar tais “festividades”.

É uma ideia de desenvolvimento turístico totalmente equivocada pois é baseada no CONSUMO da cidade e não na imersão na urbanidade do Rio. É a lógica da cidade à venda ao invés da promoção da cidade que acolhe, estimula e fornece cultura.
Marcas e promoters lucram muito. E se o evento dá errado, como aconteceu hoje no Bloco da Favorita, o ônus é todo público.
Desordem, quebra-quebra, destruição de patrimônio e o caos no espaço público são DANOS À REPUTAÇÃO DO RIO que geram desinvestimentos, afastam visitantes e consolidam a fama de cidade decadente e sempre em DESORDEM.

Lembremos o caos do carnaval de 2018 e suas imagens de inferno urbano que motivaram a intervenção federal na segurança pública da cidade.

Cariocas precisam abandonar o discurso fácil de farra e algazarra e exigir mais ordem na alegria pois é possível. Ministério público precisa investigar a relação entre promoters poderosos, marcas e autoridades públicas.

A imagem do Rio é muito preciosa e cada segundo de caos urbano vai circular pela imprensa do país e do mundo. Melhorar uma reputação urbana é muito difícil e leva tempo. Estas marcas privadas lucram e a marca pública “Rio” é destruída.

O carioca precisa refletir. Basta de nos vangloriarmos de vivermos num lugar “da beleza e do caos”. É um comportamento urbano suicida.

Copacabana é o bairro da cidade com a maior concentração de população idosa, então por que todo mundo quer fazer foto aérea dos seus eventos na paisagem do bairro, mas ninguém quer cuidar ou conservá-lo?
A festa deles acabou e a bagunça agora é nossa.
Chega de confusão no Rio. Chega de achar que extroversão é sinônimo de desorganização.

Não somos uma cidade de final de semana; somos uma metrópole com história de séculos e que precisa funcionar bem todos os 365 dias do ano.

Por Washington Fajardo

saiba antes via instagram @amaisinfluente