Ana Cristina Rosado 

Amor e esperança em tempos difíceis, por Ana Cristina Rosado

Está chegando a Páscoa, a celebração da Ressurreição de Cristo, a vitória da vida sobre a morte, época mais importante do ano para os cristãos. Este ano, em especial, os sentimentos de fraternidade, esperança e de amor ao próximo, em meio à pandemia mundial, devem ser praticados. A Semana Santa deve ser comemorada, mesmo que estejamos sozinhos, com a esperança de um tempo melhor. Segundo as palavras do papa Francisco, “que possamos ser melhores, finalmente libertados do mal e desta pandemia. Lembrando que a esperança não falha; não é uma ilusão, é uma esperança”.  Confiram, a seguir, as mensagens dos queridos amigos da coluna:

Antonia Leite Barbosa, jornalista e escritora da Agenda Carioca – Tenho visto muitos amigos conversando com os filhos e convertendo os presentes de Páscoa em doações. Exatamente os valores que seriam gastos em grandes ovos, estão sendo destinados às campanhas de combate à Covid-19, escolhidas conjuntamente com as crianças. Outros fazendo a compra dos ovos, mas para entrega em orfanatos e asilos. Um vírus microscópico obrigou o mundo inteiro a refletir sobre a responsabilidade coletiva e a viver com menos excessos. E como estamos passando por tudo isso justamente na Páscoa, impossível não pensar na ressurreição do homem.

David Bispo, sócio do Bar do David – Mesmo nos momentos difíceis não podemos perder a fé, pois a Páscoa simboliza a ressurreição de Jesus Cristo, e nesse momento precisamos nos revigorar e passar por cima das dificuldades! Lembrando sempre que somos todos iguais perante a Deus!

Viviane Fernandes, diretora da Via Ápia – Que na Páscoa nossos pensamentos se voltem para o renascimento, não só de Jesus, mas como o de todos nós, por tudo que estamos passando, pelo que podemos mudar e melhorar, é o momento de se reinventar e entender que viveremos novos tempos e que tudo passa.

Paulo Alonso, reitor da Universidade Santa Úrsula – Que o espírito da Semana Santa invada nossos corações e mentes e nos possibilite, com as reflexões que nos dispusermos a fazer, trilhar um caminho de mais esperança, de menos competitividade, de menos arrogância , sem vaidades e sem intrigas, de despejar amor ao próximo e, sobretudo, o desejo e a vontade efetiva de acolhermos os que podemos efetivamente ajudar. Servir, enfim, a quem precisa. E, no atual momento, muitos precisam de nós.

Três perguntas para: a especialista em chocolates Mirian Rocha

Para quem quer sair do óbvio na Semana Santa e busca provar tipos de chocolates diferentes, a chef Mirian Rocha dá as dicas!

1) Uma maneira fora do comum de comer chocolate?

Eu adoro adicionar chocolate na gastronomia do nosso dia a dia. Esta é a minha forma favorita. Coloco com queijos, carnes e até em saladas. Tenho uma receita que remonta um prato mexicano antigo, chamado Mole Poblanco, que consiste em um molho de chocolate intenso com frango e pimenta, é uma delícia!

2) Estamos acostumados com chocolate ao leite, branco e amargo. Há tipos diferentes?

Claro! Temos o chocolate Ruby, que virou uma febre entre as pessoas nesses últimos anos. Todos queriam experimentar o chocolate rosa, que é bem diferente do que estamos acostumados. Também temos o super intenso, com alta concentração de cacau, podendo chegar até 100%.

3) Qual foi o chocolate mais inusitado que você experimentou?

Era um chocolate bem intenso, com alta concentração de cacau e com a inclusão de formigas! Foi aqui no Brasil, eu estava na Amazônia e aproveitei para experimentar tudo que era diferente do meu hábito.

Dicas para uma Páscoa mais saudável 

Chocolate ao leite, branco, amargo, meio amargo, crocante… São tantas opções para a Páscoa que fica difícil saber qual escolher. Mas, acredite, é possível participar dessa comemoração sem muita culpa, basta fazer as escolhas corretas. “Quando consumido na versão e quantidade adequadas, o chocolate também oferece benefícios para a saúde, como melhora do humor, combate à ansiedade, além de ser altamente energético”, explica a nutróloga Christiane Carvão, do Centro de Estudos e Pesquisas da Mulher (CEPEM).

Confira abaixo mais dicas:

Aposte no chocolate certo

O ideal é optar pelo chocolate amargo, que contém cerca de 70 a 85% de cacau, pouco açúcar e entre 250 a 450mg de antioxidantes. Em seguida, o mais indicado é o meio amargo e, então, o chocolate ao leite. “Normalmente, os chocolates ao leite possuem mais manteiga de cacau, o que significa maior porcentagem de gordura e menor efeito benéfico para o corpo”, explica Christiane. Já o chocolate branco deve ser a última opção, pois não possui cacau e nem substâncias antioxidantes.

Fuja dos excessos

Evite comprar – e comer – grandes quantidades, apenas por empolgação. Vale mais a pena consumir uma pequena porção de boa qualidade. “Algumas pessoas podem ter enxaqueca por sensibilidade, ou devido à ação de substâncias vasodilatadoras presentes no chocolate. Outras podem ter sensibilidade a certos componentes, como leite. Em excesso, o doce pode causar diarreia devido ao alto teor de gorduras”, conta a nutróloga.

Só na sobremesa

“Comer chocolate com o estômago vazio faz aumentar os níveis de açúcar no sangue e, na hora da queda, a fome pode bater ainda mais forte”, conta Christiane. Por isso, aposte em uma refeição rica em proteínas e fibras. “O indicado é consumir até 10g de chocolate meio amargo ao dia”, salienta.

Pequenas delícias

Escolhas menores são mais inteligentes. Um ovo de Páscoa de tamanho grande pode ter até 1.075 calorias, enquanto os pequenos têm cerca de 72 calorias. “O cérebro não diferencia a quantidade de chocolate consumida, a liberação de serotonina – o hormônio da felicidade – é a mesma”, finaliza a nutróloga.

Ceia especial

As sócias da Bloise, Tatiane Manfredi e Leandra Fonseca, lançaram uma ceia petit de Páscoa para quem não quer deixar de comemorar mesmo com poucos membros da família ou até sozinhos. “Não podemos deixar de celebrar a vida; por isso criamos uma ceia especial para poucas pessoas sem perder o requinte, a apresentação e o sabor”, declara Fonseca.

saiba antes via instagram @amaisinfluente