Ana Cristina Rosado 

Educação reage e dá a volta por cima, por Ana Cristina Rosado

A pandemia acelerou mudanças que já eram previstas, como o home office, a busca pela sustentabilidade, a responsabilidade social e a Educação à distância. Mas, da noite para o dia, todos os segmentos educacionais tiveram que parar para evitar a propagação da doença e se reinventar, dar a volta por cima mantendo a rotina de milhares de crianças e de jovens. Utilizando as plataformas online, novos espaços de sala de aula foram criados e os conteúdos das aulas presenciais adaptados para o ambiente virtual, em menos de uma semana.  A temática de hoje buscou conhecer como os diversos setores da educação reagiram mantendo a excelência de seus trabalhos.

Ediana Avelar, publicitária e professora universitária

2020 será lembrado como o “Ano do Aprendizado”. A desmaterialização da sala de aula não podia se restringir apenas à virtualização de disciplinas. Era necessário não parar o espírito universitário, que envolve promover a formação profissional e científica em suas diversas formas, principalmente dentro de uma perspectiva disruptiva e inovadora. Para além da sala de aula virtual, era preciso criar uma conexão ativa com os estudantes. Em uma semana, todas as turmas estavam alocadas em ambientes digitais e todo o colegiado de professores preparados para sair de suas zonas de conforto, em prol da manutenção da relação ensino-aprendizagem viva. De mediador e transmissor de conteúdos, o professor virou um “youtuber” e despertou para novas competências acadêmicas, que ele mesmo não sabia que tinha. E cada sala de aula, dentro de cada casa, foi reinventada.

Uma pesquisa realizada com os estudantes dos cursos de Comunicação da UVA confirmou o que vinha sendo percebido semana a semana entre os membros do corpo docente.  E 74% dos alunos aprovaram a transposição das aulas neste período de isolamento social; 90% reconhecem positivamente o esforço pedagógico na virtualização, que passou a ser 100% “ao vivo e a cores” nas telas domiciliares. A agenda de eventos foi mantida e virtualizada. Todos os laboratórios dos cursos passaram a usar ferramentas de videoconferência para realização de webinars, lives, workshops e reuniões de planejamento e execução entre professores e estagiários. Estamos há cinco semanas trabalhando online. A semana 1 foi de ambientação e de ajustes das rotinas para mestres e alunos. Mas deu e está dando certo! A pesquisa indica que a maioria dos alunos deseja que algumas atividades continuem acontecendo virtualmente depois da quarentena. Eis o nosso desafio. Reinventar novamente a sala de aula, que não poderá mais ser como antes. E vai dar certo, de novo. Porque não há evolução sem esforço e resiliência.

Vinícius Costa Emerick, diretor do Brasas Ipanema

Para um melhor aproveitamento desse período sem aulas presenciais, o curso disponibilizou o acesso a plataforma e-BRASAS, com conteúdo interativo de acordo com cada nível no idioma, bem como exercícios e sugestões de áudio e vídeos. Paralelamente, a equipe pedagógica trabalhou no desenvolvimento de um formato viável de aulas à distância, para ser aplicado em todas as unidades do Brasil, e não somente no Rio de Janeiro. Sendo assim, para as turmas de jovens e adultos foram implementadas aulas online e ao vivo, através do Google Hangouts, com os mesmos professores e nos mesmos horários das aulas presenciais. Já as turmas infantis, com alunos a partir dos 5 anos, contam com uma plataforma EAD, alimentada semanalmente com conteúdo lúdicos próprios para esta faixa etária.
Todo o processo foi concretizado em tempo recorde e quase imediato, ainda mais considerando que a estrutura para aulas precisou ser planejada e implementada do zero. Além de todas essas iniciativas, desde o início de 2020, o BRASAS disponibilizou os áudios de seus livros didáticos nas principais plataformas de streaming como Spotify, SoundCloud, Deezer e Google Music. Ao acessar os conteúdos, os alunos podem reforçar as atividades de “listening”, exercitando a compreensão oral, o vocabulário e a pronúncia.
Durante o período de isolamento social, os estudantes que passarem de nível receberão seus livros diretamente em seus respectivos endereços. O curso segue comprometido em entregar um ensino de qualidade a todos os seus alunos e em manter todos os seus colaboradores seguros.

Luana Munhae, professora do Espaço de dança Luana Munhae

Vem sendo um grande aprendizado para todos nós, para as meninas, para as famílias, e principalmente para mim…  Estamos nos reinventando em meio às mudanças e às necessidades da nova realidade. Começamos ansiosas, querendo contar sobre as rotinas em casa, com saudade de nossos abraços, querendo movimento, querendo dança… mas aos poucos estamos entendendo essa nova forma de se aproximar umas das outras e de dançar juntas, mesmo separadas.  O Ballet Clássico é uma arte que exige enorme atenção ao corpo, cuidado mesmo, e por estarmos fisicamente distantes, organizo formas mais lúdicas para a realização dos movimentos, em que aproveitamos os espaços da casa, seus próprios brinquedos, construímos narrativas mais divertidas mesmo, e com cuidado vamos desenvolvendo a dança e mantendo nossa relação que é tão pessoal e afetiva. Estamos em processo, como disse, tudo é muito novo, mas aprendendo muito umas com as outras.

Arnaldo de Sousa Moreira, ex-jogador, campeão panamericano e sul americano e professor da escolinha Passo Zero

Sou professor de Basquete da escola de esportes e fui pego por essa difícil tarefa de me reinventar no esporte. Estou fazendo um trabalho diferente do que estava acostumado, pois normalmente estávamos sempre juntos. Com isso tive que mudar toda a dinâmica de treinamentos. Imagina, desenvolver movimentos ligados ao jogo sem que os atletas driblassem a bola dentro de suas casas. O importante é manter a paz na casa de todos sem ter reclamações de vizinhos pelo barulho. No primeiro momento começamos com aulas todos os dias, mas essa não era a rotina normal dos atletas já que muitos treinavam duas a três vezes por semana. Conforme os dias passaram,  nós ajustamos os dias e os horários para que a rotina fosse parecida com a que eles teriam no seu dia a dia.
Também venho fazendo um trabalho de estudos com algumas pessoas, por meio de um bate papo ao vivo, pelo Instagram, com vários atletas, ex-atletas e professores que são ligados ao esporte; desta forma,  também levo o entretenimento para os meus alunos de uma forma ou de outra.

A empresária Vivian Braga está enfrentando a pandemia da Covid-19 inovando o seu negócio moda e lança uma bela ação social, em parceria com a Casa de Apoio à Crianças com Câncer São Vicente de Paulo. Ela reverterá parte da renda do mês de maio na fabricação de máscaras de tecido para o projeto. 

A transformação de ONGs em meio à crise do novo coronavírus

A Junior Achievement Rio de Janeiro, ONG de educação empreendedora para jovens e crianças, está imersa nos desafios digitais impostos pelo novo coronavívus, e vem amplificando a entrega de seus projetos para manter a contribuição, a partir da produção de conteúdos qualificados para estudantes da rede pública de ensino. Os programas de empreendedorismo, economia e mercado de trabalho, antes aplicados presencialmente nas salas de aula, serão entregues online por meio de uma plataforma desenvolvida pela instituição para atender o maior número possível de jovens.

A ideia é que esses alunos continuem sendo capacitados para o mercado de trabalho e consigam destaque em seus currículos para conquistar uma vaga de emprego. Os cursos online disponíveis são: Economia Pessoal, O Futuro do Trabalho, Conectado com o Amanhã e JA Startup. E serão beneficiados com os conteúdos os alunos das escolas estaduais parceiras, no entanto, alguns cursos estarão disponíveis para o público geral. Em qualquer cenário de crise social, a Educação sofre grandes impactos que afetam a entrega de conteúdo, o cronograma escolar e o desempenho dos alunos, aumentando significativamente a evasão escolar.

“Acreditamos que a educação de qualidade na rede pública é a principal ferramenta para mudar o cenário econômico, pois quanto mais jovens capacitados para atuar no mercado de trabalho ou empreenderem, maiores serão as oportunidades de aumento da renda familiar”, afirma Graziella Castillho, presidente da JA Rio de Janeiro.

Graziella Castilho, presidente da JA Rio de Janeiro

‘Drive-in’ na Cidade das Artes

Voltei literalmente ao passado quando recebi a notícia. Com capacidade para 150 carros, em caráter experimental, até o fim do mês poderemos desfrutar do cinema a céu aberto, na Cidade das Artes. Os carros serão posicionados para uma grande tela de cinema. As doações da entrada serão revertidas para o setor cultural.

Livro virtual em Turismo

O professor Bayard Boiteux acaba de lançar em sua página no Facebook a versão digital de seu novo livro: “Opiniões e pensamentos de um sonhador”. O livro traz artigos publicados nos últimos seis anos em vários veículos, que podem servir como subsídios para políticas públicas e privadas de Turismo e uma série de pensamentos ajudam a refletir sobre sentimentos como amor, amizade, felicidade, melhor idade, entre outros. Boiteux diz que é a primeira vez que mistura num livro razão e emoção. O livro pode ser adquirido na página da CRV Editora- www.editoracrv.com.br .Trata-se do 36º  livro de Bayard e os valores das vendas serão revertidos para entidades sociais .O lançamento do livro impresso deve acontecer no segundo semestre.

Professor Bayard Boiteux

saiba antes via instagram @amaisinfluente