PUBLICIDADE

ARQUIVO ///

Ana Cristina Rosado: Três perguntas para…

Antonino Eduardo, médico especializado em terapia Intensiva e medicina interna, gerente médico do Hospital Badim Rede D’or São Luiz.

Como é ser gerente médico de um hospital que virou referência no Rio de Janeiro?
É um grande desafio, pois além de enfrentarmos uma pandemia estávamos em processo de reconstrução, devido ao incêndio do qual fomos vítimas há um ano.

Como conseguiu praticamente zerar a Covid no Badim?

Tivemos excelentes resultados relacionados à Covid-19, e três fatores foram importantes: a percepção precoce da concomitância entre processo inflamatório da doença e sua característica pro-trombótica e iniciamos o uso precoce de anticoagulantes; a adoção de acompanhamento domiciliar de pacientes que passaram por nosso serviço e receberam alta, e com isso monitoramos as complicações; e a atuação da equipe multidisciplinar, além de muito carinho.

Qual a sua opinião em relação à flexibilização?
A flexibilização é mais que necessária. O problema da Covid é quando muitos doentes procuraram recursos hospitalares ao mesmo tempo. E no Rio o pior já passou. Há leitos disponíveis tanto no serviço privado como público, e os números mostram redução importante de susceptibilidade e transmissibilidade na população. É hora de sair obviamente com cuidados de proteção individual (máscara) e higiene pessoal. A vida continua e o pior já passou. É, também, momento de reflexão sobre os valores como proximidade, união, abraços e carinho. Sigamos em frente e tornemos o amor contagioso!

Ensaio de newborn requer conhecimento não só da técnica fotográfica como também da anatomia e fisiologia do bebê. Foto: Simone Silvério
Uma das profissionais que mais fizeram pelo newborn no Brasil.

Simone Silvério: a artista por trás das lentes 

Quem vê a fotógrafa Simone Silvério se jogar ao chão para buscar o melhor ângulo de um recém-nascido, não imagina que está diante de uma das maiores referências do newborn no Brasil. A fotógrafa, que deixou 15 anos de experiência no mercado financeiro internacional para se tornar uma das primeiras a introduzir a arte da fotografia de crianças, em uma época em que os álbuns com fotos posadas de recém-nascidos  praticamente não existiam no País, só poderia ser apaixonada pela maternidade e tudo que envolve esse universo.

Talvez seja por isso que suas fotos mais do que técnica, trazem arte. Nos seus mais de dois mil ensaios, ela procura sempre inovar. Seja nas fotos da gravidez, do parto, do recém-nascido, no acompanhamento do desenvolvimento da criança, no ‘smash the cake’, ou em ensaios temáticos, o segredo é a sensibilidade, o olhar do fotógrafo.

Além da fotografia profissional, Simone defende que todos tenham trabalhos autorais. Entre os que fascinaram os brasileiros, está o calendário 2017 inspirado em contos infantis. Nele, 13 fotos exclusivas de crianças de 15 dias a 5 anos. Heróis, guerreiros, príncipes e princesas que trouxeram fofura durante todo o ano.

Simone não reinventou a roda. Aliás, quem primeiro se consagrou com a fotografia newborn no mundo foi a australiana Anne Geddes na década 90, da qual Simone sempre foi fã; seguiu o caminho da mestre e inovou. As semelhanças dos trabalhos se cruzaram em 2016, quando ambas foram convidadas para uma Campanha Internacional.

A fotógrafa australiana esteve pela primeira vez no Brasil no estúdio de Simone Silvério para promover uma Campanha de Combate à Meningite e apoiar a causa com os atletas paraolímpicos brasileiros. Anne Geddes fotografou os atletas estrangeiros e Simone Silvério os brasileiros. E assim como Anne (que  já vendeu mais de 30 milhões de livros e calendários), Simone segue o caminho e sua assinatura está virando uma linha de produtos.

Orquestra Ouro Preto terá concerto especial de 20 anos

“Na bruma leve das paixões que vêm de dentro… Tu vens chegando pra brincar no meu quintal…” É nos versos de uma das maiores figuras da música nordestina, o pernambucano Alceu Valença, que a Orquestra Ouro Preto vai embalar a noite desta sexta (21). A partir das 20h30, a tradicional orquestra celebra seus 20 anos de existência com um concerto inédito e restrito, que será exibido – ao vivo – pelo Youtube, direto de Belo Horizonte.

A pedido do público, o repertório será uma mistura inusitada dos concertos que marcaram a história de excelência e versatilidade da Orquestra: o rock orquestrado dos Beatles, a beleza da musicalidade mineira de Fernando Brant e Milton Nascimento, os sucessos de Valencianas, os clássicos do cinema e muito mais.

Para a realização da live e visando garantir a segurança dos músicos, produtores e de toda equipe envolvida no projeto, a Orquestra Ouro Preto contratou o médico infectologista Aílton Alves Júnior, que desenvolveu um protocolo específico para uma apresentação de orquestra, de acordo com as normas da Organização Mundial de Saúde, garantindo que todos os cuidados sanitários sejam adotados. A equipe envolvida no projeto é reduzida, todos os profissionais terão a temperatura aferida, frascos de álcool em gel estarão disponíveis, além de máscaras e o distanciamento correto no palco entre os músicos.

“A orquestra seguirá um rigoroso protocolo técnico de segurança sanitária, específico para o evento, que vai permitir que toda a equipe e os músicos possam desempenhar o trabalho com toda segurança, transformando a música em pílulas de esperança no processo de resgate de promoção da saúde”, destaca o Dr. Aílton.

Restaurante lança refrigerante natural com ingredientes artesanais

O restaurante Churrasqueira, em Ipanema, tem como novidade em seu menu a modalidade de refrigerante natural, assinado por Henrique Passos, Head Bartender da casa. Com ingredientes artesanais, mais sabor e menos artificial do que os refrigerantes convencionais, estão disponíveis as versões hibisco, abacaxi com baunilha e capim limão. Durante o mês de agosto, na compra de um dos hambúrgueres gourmet da casa, o cliente ganha uma bebida para degustação.

Estudantes brasileiras se destacam no exterior pela paixão pela Astronomia

A cada ano, a participação feminina se consolida em áreas anteriormente dominadas pelos homens, como a Astronomia. No Brasil, esse sucesso pode ser comprovado nas últimas edições da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA), a maior olimpíada científica do País. Com 23 anos de existência, a OBA já superou a marca dos 10 milhões de participantes e distribui anualmente cerca de 50 mil medalhas. E nos últimos anos muitas dessas premiações – bolsas e intercâmbios em renomadas universidades internacionais – foram conquistadas por meninas.

Em 2018, dos 776.599 inscritos na Olímpiada, 389.185 eram do sexo feminino, ou seja, 50,1% dos participantes. Já em 2019, esse número teve um aumento: dos 884.979 inscritos, 445.721 eram meninas, o que representa 50,3% dos participantes da OBA.

A paulista Tabata Amaral, de 26 anos, é um dos exemplos do destaque feminino na Astronomia. Formada em Ciências Políticas e Astrofísica pela Universidade Harvard, ela foi medalhista da OBA em 2011 e representou o Brasil em cinco competições internacionais de Ciências, como as olimpíadas Internacional de Astronomia e Astrofísica e Latino-Americana de Astronomia e Astronáutica, conquistando vários prêmios. Engajada em causas estudantis, Tabata foi eleita em 2018 deputada federal (PDT-SP), com mais de 264 mil votos. Na ocasião, a parlamentar foi a sexta candidata mais votada do Estado.

Também de São Paulo, mais precisamente de Guarulhos, a estudante Miriam Harumi Koga, de 20 anos, foi outra participante que obteve grande êxito na OBA. Medalhista em várias edições da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica, Miriam também se destacou na Olimpíada Latino-Americana de Astronomia e Astronáutica (OLAA). Após ser medalhista em 2016, ela repetiu a dose no ano seguinte, quando levou a medalha de ouro e foi o destaque da competição. O desempenho na OLAA resultou em duas aprovações para universidades dos Estados Unidos, onde Miriam mora e trabalha.

Outro exemplo do sucesso feminino na Astronomia é Isadora Stefanhak, de 17 anos. A estudante gaúcha foi, por duas vezes, medalhista da OBA (em 2018 e 2019), e participou da Jornada de Foguetes. Em 2020, Isadora foi selecionada para participar de um curso nos Estados Unidos de imersão ao universo da Astronomia. O programa, desenvolvido pela Advanced Space Academy (Academia Espacial Avançada), é destinado a jovens de até 18 anos e inclui até treinamento para astronauta. O treinamento que ela participará ocorre em Huntsville, no Alabama, é voltado para aspirantes a astronauta e tem duração de uma semana. A organização do projeto é uma iniciativa do US Space and Rocket Center (Museu Espacial e de Foguetes dos Estados Unidos).

Katarine Emanuela Klitzke, de 18 anos, é um nome de destaque que também vem do Sul do Brasil. Catarinense de Timbó, a estudante foi medalhista em edições das Olimpíadas Brasileira e Latino-Americana de Astronomia e Astronáutica. Em 2018, inclusive, levou a medalha de ouro na OLAA, em edição realizada no Paraguai. Com os resultados obtidos em competições nacionais e continentais, Katarine ingressou na Georgia Tech (Georgia Institute of Technology), nos Estados Unidos, uma das universidades de Engenharia da Computação mais conceituadas do mundo. Em apenas um ano por lá, a estudante já conquistou diversos prêmios, um deles da NASA, a agência espacial norte-americana. Além disso, tornou-se coordenadora da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) e auxilia estudantes que, assim como ela, sonham com as estrelas.

Para quem se interessou as inscrições para a OBA/MOBFOG foram prorrogadas em decorrência da pandemia e estão abertas até 1º de setembro. Escolas públicas e particulares que ainda não participaram podem se cadastrar pelo site www.oba.org.br. Realizada em fase única e voltada para todos os estudantes dos ensinos Fundamental e Médio, a olimpíada ainda não tem data definida para sua realização, a depender da retomada das atividades escolares.

Alan Victor celebra sucesso com “#Live100” em sua temporada de bate-papos com personalidades no período de quarentena

As Lives viraram a grande moda no mercado de entretenimento no período de isolamento social no País. Mas, não é qualquer um que consegue reunir grandes nomes numa só temporada. Esse tem sido o papel do influenciador digital e promoter Alan Victor, de 25 anos, dono do Instagram Rio Fácil. O jovem vem proporcionando um variado encontro virtual com cantores, jornalistas, chefes da alta gastronomia e celebridades, desde meados de abril.

Responsável pela lista vip de artistas e famosos para o Camarote Rio Praia, na Sapucaí, Alan Victor comemora a live de número 100 recebendo, em transmissão ao vivo, convidados especiais como as jornalistas Patrícia Kogut e Leilane Neubarth; as atrizes, Zezé Motta, Rosamaria Murtinho, Bianca Rinaldi e Nany People. No bate-papo intimista, os convidados comentaram sobre cotidiano, trabalhos, turismo, moda, música e outros assuntos, sempre com um toque de descontração.

Em sua live já passaram grandes nomes como Adriana Lessa, Beth Goulart, Nando Cunha, Regina Alves, Arlindo Grund, Alexandra Richter, Mylena Ciribelli, Zé Mauricio Machline, Milton Cunha, Catarina Abdalla, MC Marcinho, Roberta Sudback, Érico Brás, Cássia Linhares, Suzana Pires, Marcos Pasquim, Kátia Barbosa, Monica Carvalho, Mateus Solano, Alexia Dechamps, Isabel Fillardis e até a cantora colombiana Fanny Lu, entre outros.

Palestra internacional na área de Turismo

O NETUR, núcleo de Turismo da UVA, representado pela professora Selma Azevedo, coordenadora de Turismo, realizará, dia 25, às 10h20, a palestra internacional sobre “O mercado de trabalho pós-Covid-19”.

A palestra será virtual e contará com a presença de palestrantes do Instituto Politécnico de Viseu – Escola Superior de Tecnologia e Gestão. São eles: Carla Silva e Claudia Seabra, doutoras em Turismo pela Universidade de Aveiro; e Fátima Fonseca, empresária em Viseu e proprietária da Mazaltur. O professor José Carlos Dantas, mestre em Turismo Ambiental e Cultural pelo Centro Universitário Ibero Americano, fará a mediação.

PUBLICIDADE