PUBLICIDADE

Miriam Freitas

Estreia dia 21 de janeiro, a peça-filme MAYA com direção de Patrícia Niedermeier e Cavi Borges

O espetáculo  sobre diretora de cinema experimental Maya Deren ficará em cartaz no saguão do Estação Net Rio, sábados, às 21h30.

Além da peça, será realizada a exposição “As Mulheres Pioneiras do Cinema”, que começa dia 26, e a “Mostra com Filmes de Maya Deren”, que será em fevereiro.

Maya é uma peça filme performance que investiga os percursos perguntas  anagramas e filmes criados por Maya Deren. Numa experiência que atravessa os filmes e a instigante obra de MAYA Deren. Maya é inspirada na obra e vida de Maya Deren.  

“A peça também é uma  homenagem a todas as cineastas MULHERES apagadas na história.  ( são muitas)”, declara Patrícia.

Diretora e teórica cinematográfica, Deren também foi coreógrafa, dançarina, poeta, escritora e fotógrafa. Seu primeiro filme, “Meshes of the afternoon”, preparou o terreno para os filmes americanos de vanguarda dos anos 40 e 50 e é reconhecido como um marco do cinema experimental. Entre 1947 e 1955, Deren passa quase dois anos no Haiti, filmando rituais e danças Vodu, mas também participando deles, a ponto de adotar a religião Vodu e de ser iniciada como sacerdotisa. Em 1985, o Instituto do Filme Americano (AFI) criou o Prémio Maya Deren, que reconhece e valoriza o cinema independente.

 Patrícia Niedermeier têm outros projetos a serem lançados, em 2023, entre eles o longa “Uma Por uma Por uma”, com direção de Patrícia e Regina Miranda,  para comemorar os 20 anos de sua parceria. O longa é baseado em textos de  escritoras  sobre o holocausto,  com roteiro e pesquisa de Regina Miranda.

 Patrícia ainda lança em 2023 o primeiro filme que dirige sozinha – “Ensaios Sobre Yves”.

O espetáculo Maya tem a direção de Cavi Borges e Patrícia Niedermeier , texto de Joaquim Vicente , consultoria de Filippo Pitanga , produtor executivo Marcos Arzua, produção Marina Trindade e Video Mapping : VJ 18

Patrícia Niedermeier diretora e atriz

Atriz e bailarina, diretora e performer. Graduada na faculdade Angel Vianna, em dança. Integrou as companhias de Dança Márcia Rubin,  e Frederico Paredes e integra a Cia Atores e Bailarinos do Rio de Janeiro, dirigida por Regina Miranda, desde 2001, pela qual participou de diversos festivais internacionais e nacionais. Trabalhou com diversos diretores de cinema e teatro como Antônio Abujamra, Rubens Correia, Gerald Thomas, Jefferson Miranda e Antônio Carvalho, dentre outros. Dirigiu, em parceria com Cavi Borges, longas metragens curtas e videoartes. Dirigiu e atuou, junto com Cavi Borges nos filmes “Salto no Vazio”, “O cinema é minha vida” e “Reviver”, que ganhou o Prêmio de melhor roteiro no Festival Guarnicê de Cinema-MA. Atuou ainda como protagonista nos longas: “Filme Francês” e “Fado tropical”, de Cavi Borges, “Orlando”, de Alexandre Rudar, “Estamos vivos”, de Filipe Codeço, “Guerra do Paraguai”, “Dois casamentos” e  “Os príncipes” todos com direção de Luiz Rosemberg Filho, tendo recebido o prêmio de melhor atriz no Cine PE 2018, pelo “Os Príncipes”. Protagonizou também a minissérie “Giga”, de Taciano Valério.

Filmou este ano o longa com direção de Taciano Valério no Recife “Espumas ao Vento” participou do Festival de Brasília em 2022.

Voltou a direção com Cavi com nosso “Não Sei Quantas  Almas Tenho”, depois do “Salto no Vazio”  e “Reviver”.

 Entre os projetos a serem lançados, em 2023, o longa “Uma Por uma Por uma”, com direção de Patrícia e Regina Miranda,  para comemorar os 20 anos de sua parceria. O longa é baseado em textos de  escritoras  sobre o holocausto,  com roteiro e pesquisa de Regina Miranda.

 Patrícia ainda lança em 2023 o primeiro filme que dirige sozinha – “Ensaios Sobre Yves”.

Cavi Borges é diretor e produtor

Cavi Borges é diretor e produtor da Cavideo. Já realizou mais de 350 filmes e ganhou mais de 200 prêmios. Atualmente, tem realizado eventos e ajudado na programação os cinemas do ESTAÇÃO NET.

Cavi abriu o Espaço cultural Cavideo em Laranjeiras com locadora e uma biblioteca de cinema gratuita. Cavi Borges é uma grande referência do movimento independente de cinema do Rio de janeiro produzindo filmes, mostras, eventos e encontros. “Não sei quantas almas tenho” é seu décimo oitavo longa como diretor.

foto: Verônica Peixoto e poster: Gleisson Dias.

Estreia – dia 21

Sessões às 21h30 aos sábados.

Local: Saguão do Estação Net Rio na Rua Voluntários da Pátria 35. 

Duração: 50 minutos

Temporada até abril. 

Por: Míriam Freitas 

Colunista Social