PUBLICIDADE

motivacional

Jovem sofre preconceito em balada em São Paulo

A jovem Carol Marcelino usou as redes sociais pra relatar um episódio de preconceito contra a sua prima, Nathalia. Segundo o depoimento, as duas estavam na lista de aniversário de uma amiga e tinham o direito de entrar sem pagar, na boate Villa Mix.

Nathalia foi proibida da regalia por conta da sua aparência. O segurança disse que ela “fugia do padrão da casa”. Leia abaixo o relato, que já tem mais de 5 mil compartilhamentos e 30 mil curtidas nas redes sociais.

“Ontem passei por uma situação um tanto quanto triste! Triste para pessoa que sofreu isso, para mim e mais 3 amigos que presenciaram isso, triste até mesmo para o mundo tão vazio em que vivemos.”

“Já ouvi muitos casos sobre preconceito a casa noturna Villa Mix SP, MUITOS. Mas mesmo assim, fui. Mesmo sabendo que estava entrando em um lugar que invadia meus próprios princípios, tal como alguns quesitos que devemos seguir antes mesmo de pensar em chegar lá… “Não pode usar tênis da marca X” “não pode não ir de salto” “a roupa deve ser MUITO arrumada se não é barrado” e várias outras regras, no mínimo, fúteis. Tudo bem, entramos, já que era aniversário de uma amiga minha.

Quando finalmente conseguimos ir até o caixa, eis que vem a surpresa. Todas as meninas que estavam na lista de um promoter X, eram zeradas por causa da tal lista de aniversário. Menos uma, no caso, minha prima. Fui saber o motivo. Não me importo em pagar balada… Mas fiquei com aquilo na cabeça “porque só uma que não ganhou? Será um erro? Ou o que eu já estava pensando?”.

Conversei com uma segurança…. E ela na maior grosseira, sem olhar para minha cara disse “você espera ali”. Esperei…. Esperei….. Fiquei um bom tempo esperando junto com a minha prima que que não estava zerada. Chega um segundo segurança com um tom mais agressivo dizendo “você não pode esperar aqui! Ou entra ou sai!”… Falei que a segurança tinha pedido para esperar ali. Ele continuou com a maior ignorância dizendo, agora, em um tom mais elevado que era para entrar. Esperei mais um pouco…. Mesmo com o segurança me pressionando.

Esperei minha prima se afastar para evitar qualquer tipo de constrangimento a ela…. E perguntei “moço, porque o dela nao está zerada? O senhor sabe sim!”… Este segurança, na maior frieza e tranquilidade me diz… (dói lembrar! Dói demais!) “ela foge do padrão da casa”… Nessa hora não me contive! Não consegui! Eu tomei as dores da minha prima… Mas também tomei a dor de alguém que, um dia, já sofreu isso! E comecei a falar “O SENHOR TÁ FALANDO SÉRIO? QUAL É A DIFERENÇA DELA PARA MIM???? A BOSTA DA BALANÇA?”… Ele apenas sorriu. Este senhor de fato parecia estar adorando ver aquilo!

E eu continuei “A CASA ESTÁ DISCRIMINANDO ELA POR CAUSA DISSO? ISSO É PRECONCEITO!” e nessa hora, já chegou a segunda segurança. PERMANECI FALANDO “MOÇO, HOJE É ELA! AMANHÃ PODE SER SUA IRMÃ, SUA FILHA, ALGUÉM DA SUA FAMÍLIA… E SABE PORQUE? PORQUE ELAS TAMBÉM PODEM ESTAR FORA DOS “PADRÕES” DA CASA!!!!!!”… O segurança com toda naturalidade que existe nessa terra, me diz exatamente isso “VOCE HOJE NÃO ENTRA NA FESTA, VOCE APRESENTA PERIGO A CASA”. OI? AGORA FUI BARRADA PORQUE EU SABIA DA SUJEIRA QUE ERA AQUELE LUGAR?

Contei até mil… Chamei os meus outros amigos e disse “não vou poder entrar hoje pois apresento perigo”… O segurança continuou com um sorriso no rosto, chamou uma segurança e disse para me retirar… Sai! Mas sairia mesmo que tivessem me autorizado a entrar naquele lugar! Eu fiquei arrasada! Arrasada mesmo…. Não por mim, mas pela minha prima! E por você, que um dia foi vítima de algum tipo de preconceito porque não estava no “padrao”… Eu nunca vou entender essa ditadura da magreza. Nunca! Sai dessa balada chorando…. Chorando muito. Minha prima não foi a primeira e não será última…. E sabe porque? Tem pessoas como eu (fui nessa balada mesmo sabendo de tudo isso) que compactuam com isso… Afinal, vamos até aquele lugar.

Prima, não é culpa sua! Você não fez nada! O problema não é você, nunca foi você, nunca será você! O problema são essas pessoas que estão propagando um “padrão” que não existe….
Você é linda! Um ser humano espetacular… Eu morro de orgulho de quem você é!
E saiba, eu sempre vou lutar por você… E pelo o que é certo.

Boicote a casa noturna Villa Mix e principalmente aos padrões.

Carolina Marcelino, 61 kg e não me considero dentro de qualquer tipo de padrão.”

PUBLICIDADE