PUBLICIDADE

1.0 - FAMOSOS

Alinne Moraes, Alexandre Nero, Caco Ciocler e elenco na pré-estréia do filme “João, o Maestro” em São Paulo

Sete semanas de filmagens. Esse foi o plano cumprido pela equipe da LC Barreto (de grandes sucessos nacionais como “Dona Flor e Seus Dois Maridos”, “O Que É Isso Companheiro?” e “Flores Raras”) para o longa-metragem “João, o Maestro” sobre a história de superação e paixão pela música de João Carlos Martins. Com direção de Mauro Lima (de “Meu nome não é Johnny” e “Tim Maia”), o filme estreia em todo o país no dia 17 de agosto, com coprodução da Globo Filmes, RioFilme, Canal Brasil e distribuição da Sony.

Foi realizada uma pré-estreia na noite desta segunda-feira (7) no espaço Itaú de Cinema em São Paulo. Veja quem esteve presente:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Coletiva de imprensa aconteceu na manhã dessa segunda em São Paulo

Na manhã dessa segunda-feira, 7 de agosto, aconteceu a coletiva de imprensa em São Paulo, mais precisamente no WZ Hotel Jardins, com a presença do maestro e do elenco do filme. “O Mauro foi mais do que um diretor, foi um maestro”, afirmou João Carlos Martins. Estiveram na coletiva os atores Caco Ciocler, Fernanda Nobre, Davi Campolongo, os produtores Paula Barreto e Rômulo Marinho Jr, o diretor Mauro Lima e o protagonista Alexandre Nero, que afirmou “minha maior preocupação com o filme era a de quem iria dirigir, pois eu tinha uma preocupação com a música. Saber que era o Mauro, me tranquilizou”.

Um dos maiores pianistas do mundo, o brasileiro João Carlos Martins foi um dos poucos músicos a gravar a obra completa de Bach. Nascido em São Paulo, em 1940, o artista começou a estudar piano aos oito anos de idade e iniciou a carreira profissional aos treze. Estreou no Carnegie Hall, em Nova Iorque, aos 20 anos e todas as suas apresentações tiveram ingressos esgotados. Por conta de diversos problemas de saúde foi obrigado a deixar de lado a carreira de pianista, definitivamente, em 2002. É com inspiração nessa história que Mauro Lima escreveu o roteiro e dirigiu o projeto. “O filme foca na compulsão e na paixão do João Carlos pela música, pelo piano, e no quanto ele lutou para superar todas as dificuldades que teve pelo caminho”, comenta Mauro Lima. Produtora do longa, Paula Barreto destaca a capacidade de João Carlos se reinventar. “O que mais me impressiona no João é como ele transforma uma tragédia em força para superação”, diz a produtora.

“Receber uma homenagem como essa, ainda vivo, é uma das maiores emoções da vida”, comenta João Carlos Martins. Detalhes pouco conhecidos da vida do maestro como o primeiro concerto internacional, a relação com as mulheres, a compulsão e o perfeccionismo em relação à música serão retratadas no filme. “Eu confiei plenamente no Mauro para contar a minha história. Só compareci ao set para acompanhar as cenas que envolviam a música”, diz o maestro. João Carlos Martins comentou ainda que no momento de pressão das filmagens, o diretor Mauro Lima sempre ficava tranquilo. Foi quando Paula Barreto brincou, afirmando que o diretor é o “Dalai Lima”. João arrancou gargalhadas dos jornalistas ao dizer que se morresse antes do lançamento, com certeza, o filme faria ainda mais sucesso.

O longa-metragem traz Alexandre Nero, Rodrigo Pandolfo e Davi Campolongo como João Carlos Martins em fases distintas da vida. “Eu não acreditei quando fui escolhido para esse papel. O João na juventude era um monstro. A técnica que ele tinha no piano era impressionante!”, comenta Rodrigo Pandolfo, que faz o músico na juventude, em um vídeo gravado (pois o ator está na Europa, em gravaçao de uma minisérie). Alexandre Nero interpreta um João Carlos mais maduro. “As pessoas aqui no Brasil não conhecem a história do João. É um prazer imenso poder contar isso. O João é um brasileiro que todo mundo precisa conhecer”, diz Nero.

Fernanda Nobre é Sandra, personagem que representa as primeiras mulheres de João Carlos Martins e Alinne Moraes é Carmen, atual esposa do músico. Caco Ciocler também integra o elenco e será José Kliass, o professor de piano de João Carlos Martins. Cerca de 100 profissionais atuaram na produção do filme que tem patrocínio da Prefeitura do Rio de Janeiro, GOL Linhas Aéreas, Drogaria Araújo, SESI, Fiesp, Aché, Basf, BB DTVM, Unilever, Petrobras e Sete Brasil.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos: Felipe Panfili